Como descobrir se você tem perda auditiva? Confira os principais sinais e como se tratar.


O fonoaudiólogo e mestre em Audiologia, Fábio Heleno, sentado em uma mesa com aparelhos auditivos Widex ao seu lado. Sobre a imagem está escrito "Como descobrir se você tem pera auditiva?"
Como descobrir se você tem perda auditiva? Por Fábio Heleno, Fonoaudiólogo, Mestre em Audiologia

A perda de audição pode acontecer em qualquer momento da vida, desde crianças, adolescentes, adultos e, principalmente, em idosos. Após o nascimento, a criança deve realizar o teste da orelhinha para um diagnóstico precoce, caso tenha uma perda de audição.



Geralmente, a perda auditiva na terceira idade é recorrente devido a uma morte natural das células auditivas do ouvido. Caso você desconfie que está com uma deficiência auditiva, é muito importante procurar os profissionais especializados para fazer esse diagnóstico, entre eles o otorrinolaringologista e o fonoaudiólogo, que vão ajudar nesse processo para entender qual a melhor medida preventiva ou de tratamento para a sua deficiência auditiva, caso ela ocorra.


Como medida preventiva à perda auditiva, é bom evitar fones de ouvido, sons muito altos e barulho durante muito tempo (obras, shows, barulho de trânsito, entre outros).


Quais os principais sintomas da perda auditiva?

Se você está com dificuldade para entender o que as pessoas falam, está pedindo muito para que outras pessoas repitam as falas e a televisão tem ficado em um volume muito alto, procure um médico otorrinolaringologista.


Então, se você teve o diagnóstico de perda de audição, é muito importante entender qual a causa da sua perda e qual que é o melhor tratamento. Algumas perdas podem ter tratamento medicamentoso ou cirúrgico, mas na maioria dos casos, você vai precisar de uma tecnologia auditiva para fazer a amplificação dos sons.



Perda auditiva mista, condutiva ou neurossensorial

As perdas de audição podem ser do tipo mista, condutivas ou neurossensoriais. Mas você só vai descobrir qual o tipo da sua perda se você procurar um médico especialista, realizar alguns exames (inicialmente a audiometria) e ter a orientação do profissional de saúde sobre qual o melhor tratamento no seu caso.


É importante entender não se ouve com o ouvido, mas sim com o cérebro. O ouvido é um transmissor da mensagem.


As perdas condutivas estão localizadas no ouvido médio e externo, e podem acontecer por má formação da orelha, danos e infecções que esta receba, problemas nos ossículos (martelo, bigorna e estribo) da orelha e tímpano perfurado.



Se você tem uma perda neurossensorial, as células do ouvido não conseguem transmitir de forma correta a informação para o seu nervo auditivo. Isso faz com que o cérebro receba menos informações. Com o passar do tempo, você vai ter o nervo auditivo recebendo cada vez menos informações e o cérebro também entende menos informações.


As perdas auditivas mistas têm componentes tanto condutivos quanto neurossensoriais.


Perda Auditiva: A importância do tratamento precoce

Qualquer estrutura do nosso corpo que não está recebendo informações de forma adequada, ela começa a ser eliminada. Com o passar do tempo, o nervo auditivo se atrofia e o cérebro também passa a esquecer como decodifica as palavras.


Muitas vezes, quando se está com dificuldade para entender o que as pessoas falam, o cérebro pode não estar decodificando essas informações. Por isso a importância do uso de dispositivos eletrônicos de amplificação, entre eles o aparelho auditivo, as próteses osteo-ancoradas e implantes cocleares. Dessa forma, haverá a correção da função das células auditivas e o estímulo correto tanto do nervo auditivo quanto do cérebro.



Lembrando que o uso de amplificação sonora é uma reabilitação auditiva, por isso a importância do tratamento o mais precoce possível.


Fábio Heleno - Coordenador de Fonoaudiologia da Ouvirtec


Fonoaudiólogo com especialização em Audiologia pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia, Mestre em Ciências Fonoaudiologicas pela UFMG, Aperfeiçoamento em Dispositivos Eletrônicos de Amplificação e Amplificação Auditiva Pediátrica pelo CEDIAU/SP.


Experiência há mais de 12 anos com tecnologias auditivas (Aparelhos auditivos, Próteses Auditivas Ancoradas no Osso e Implante Coclear).


Responsável pelo pelos treinamentos e suporte clínico da Ouvirtec em Minas Gerais.